MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
26/05/2017

Soldado conta ao MS Repórter experiência durante missão de paz no Haiti

domingo, 18 de agosto de 2013

O MS Repórter conversou esta semana com um soldado que está em missão de paz no Haiti. Mario Costa, 22 anos, do 9º Batalhão de Suprimento de Campo Grande (MS), contou como é chegar a um país que sofre com a pobreza e com a devastação por conta do terremoto que atingiu o local. O soldado falou da experiência ao chegar ao lugar e da expectativa pela volta para casa. Os militares que foram para o Haiti este ano, devem ficar na missão que é comandada pelo Brasil, em torno de seis meses a um ano.

MS Repórter - Há quanto tempo está no Haiti?

Soldado Mario Costa - Já são três meses de missão

MS Repórter - Qual foi a sensação em pisar pela primeira vez em solo haitiano?

Soldado Costa – Foi um pouco estranho, pois aqui é muito diferente do Brasil. O solo haitiano é branco e o sol muito forte, e isso dificulta um pouco a visão sem os óculos. Em alguns lugares do Haiti o esgoto corre a céu aberto e as pessoas comercializam seus produtos alimentares sem o mínimo de higiene, além disso, as crianças são muito carentes, a maioria anda pela rua sem roupa e pedindo alimento.

MS Repórter - Pra você, qual a importância de participar de uma missão como essa?

Soldado Costa - Pra mim é muito importante, pois estou adquirindo muita experiência, tanto pessoal quanto profissional. Além de poder ajudar pessoas que realmente necessitam da nossa ajuda.

MS Repórter - O que mais te chamou a atenção no Haiti?

Soldado Costa – Com certeza o que mais me chamou a atenção foram as condições precárias da população, a destruição do país após o terremoto e a diferença cultural.

MS Repórter - Conte um pouco de sua rotina.

Soldado Costa - A Nossa jornada de trabalho é bastante intensa, aqui a gente cumpre diversas missões tanto na base quanto na rua em diversos horários. Todo sábado é organizada uma feira-livre onde os haitianos comercializam materiais esportivos e produtos artesanais confeccionados por eles próprios. E a cada 30 dias é disponibilizado um Leave/arejamento que varia de cinco a 15 dias de descanso onde o militar pode optar por viajar para outros locais como: Estados Unidos e República Dominicana.

MS Repórter - Qual sua expectativa para esta missão?

Soldado Costa - A expectativa é que possamos continuar ajudando essas pessoas e que todos voltem para casa sem nenhuma baixa (perda).

MS Repórter - Quais coisas boas dessa experiência você vai trazer para o Brasil?

Soldado Costa - Apesar de toda dificuldade os haitianos conseguem sorrir e nos ensinar sobre superação. E é esse exemplo que eu vou levar para o Brasil.

MS Repórter - Qual a importância dessa missão para o Brasil?

Soldado Costa - Para o Brasil é muito importante, pois ele está comandando uma missão de âmbito internacional, e como está obtendo sucesso é visto com bons olhos podendo futuramente comandar outras missões.

MS Repórter - Como os soldados brasileiros são tratados pelos haitianos?

Soldado Costa - A população gosta muito dos militares brasileiros, e até colocaram o apelido de "bombagay" que significa "gente boa" no idioma deles.

MS Repórter - Há uma diferença de tratamento em relação aos soldados de outros países?

Soldado Costa - Não, todos recebem o mesmo tratamento, uma vez que fazemos parte da mesma tropa e temos o mesmo objetivo que é a estabilização da paz no Haiti.

MS Repórter - Os militares que estão no Haiti recebem algum tratamento psicológico antes ou durante a missão para lidar com todo o caos que o País apresenta?

Soldado Costa - Sim, tanto psicológico quanto religioso. Tem uma psicóloga a disposição dos militares para nos atender quando for preciso. E duas vezes na semana são realizados cultos e missas.

Por Mariana Rodrigues

Fotos: Arquivo Pessoal Em alguns locais é possível notar o esgoto a céu aberto.
Comente esta Entrevista
Outras entrevistas