MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
19/10/2018
21 de maio de 2018 às 12h38 | Rural

Presidente da FPA, Tereza Cristina vai a Paris acompanhar certificação do Brasil como área livre de aftosa com vacinação

Os 181 países integrantes da OIE oficializam a decisão na 7ª Sessão Plenária desta quinta-feira (24)

Por: Assessoria
Divulgação/Assessoria

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) vai declarar oficialmente o Brasil como país livre da febre aftosa com vacinação. A convite do governo brasileiro, a deputada federal Tereza Cristina, integra comitiva em Paris, desde o último domingo (20), representando deputados e senadores que compõem a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Ao lado do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Blairo Maggi e de representantes de entidades do agronegócio brasileiro, Tereza acompanha os trabalhos daz semana da entidade que garante o título ao Brasil. A Comissão Científica da OIE aprovou a certificação do Brasil em 2017. Os 181 países integrantes da OIE oficializam a decisão na 7ª Sessão Plenária que está marcada para ocorrer nesta quinta-feira (24).

Na avaliação de Tereza Cristina o novo status sanitário de defesa animal é fundamental para as exportações de carne brasileira a outros países. “O Brasil não terá mais parte de seus territórios livre da doença com vinha acontecendo. Com esta certificação, estaremos, na totalidade, livre da febre aftosa com vacinação. Cenário extremamente importante para a comercialização da carne brasileira”, explicou.

“Somente este anúncio da certificação garante que a Coreia do Sul, que já é consumidora de carne suína brasileira, abra mercado para aderir a importação da carne bovina do Brasil, garantindo assim, a expansão deste mercado internacional”, reforça a parlamentar que integra comitiva do Governo Federal no exterior.

No último ano (2017), mesmo em meio aos impactos causados com a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal para apurar esquema de venda ilegal de carnes por frigoríficos no Brasil, as exportações de carne in natura brasileira apresentaram crescimento. Os números mostram que os embarques de carne bovina, durante os 12 meses do ano passado, somaram 1,21 bilhão de toneladas; 12,4% maior que as 1,08 bilhão de toneladas enviados para outros países em 2016. Já a receita de exportações de 2017 registrou alta de 17% chegando a US$ 5,09 bilhões, versus US$ 4,35 bilhões no ano anterior.

A decisão brasileira em melhorar o rebanho e enfrentar os desafios que a febre aftosa trazia ao país foi destacada no discurso do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Blairo Maggi.

“Quando, no início da luta contra a febre aftosa, em que milhares de focos da doença acometiam nossos rebanhos todos os anos, decidiu-se erradicar uma doença da importância e gravidade da febre aftosa, e se tornar o maior exportador de carnes do mundo, muitos não acreditavam e diziam que era impossível, que nunca conseguiríamos. Mas, conseguimos!”, disse Blairo ao repetir a frase que define o status brasileiro com a conquista da certificação: “O Brasil está́ livre de Febre Aftosa”.

Uma vitória conquistada, segundo o ministro, pelo esforço conjunto, dedicação, luta de gerações de técnicos, produtores rurais e gestores, que foram pautados por princípios, diretrizes e recomendações da OIE.

Números da pecuária brasileira

De acordo com dados apresentados na Organização Mundial de Saúde Animal, pelo Ministério Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em 2017, somente a pecuária representou um Valor Bruto da Produção (VBP) de 175,7 bilhões de reais. No mesmo período, apenas o complexo carnes teve um crescimento nas exportações da ordem de 8,9%, atingindo um volume de 15,5 bilhões de dólares. “E ainda temos potencial para crescermos muito mais no mercado internacional, pois exportamos somente uma pequena parte da nossa produção de bovinos e suínos”, considerou o ministro.

A avaliação do Ministério o crescimento das exportações brasileiras se deve, além da inquestionável qualidade e competitividade dos produtos, à melhoria da condição sanitária do rebanho nacional.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas