MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
28/05/2017
05 de dezembro de 2016 às 15h34 | Saúde

Portaria autoriza Santa Casa a organizar e procurar doadores de órgãos

A portaria nº 59/2016 que homologa a transferência da OPO do Hospital Regional para a Santa Casa

Por: Assessoria

No último dia 2 de dezembro de 2016, foi divulgada a portaria nº 59/2016 que homologa a transferência da OPO (Organização de Procura de Órgãos) do Hospital Regional para a ABCG-Santa Casa. A mesma foi assinada pelo presidente do hospital, Dr. Esacheu Nascimento. A OPO congrega grupos de coordenação regional sob responsabilidade do Estado, e os mesmos são responsáveis por organizar e apoiar o processo de doação e transplantes no âmbito de sua área de atuação.

De acordo com a portaria interna, são atribuições da OPO: organizar, no âmbito de sua circunscrição, a logística da procura de doadores; criar rotinas para oferecer aos familiares de pacientes falecidos nos hospitais de sua área de abrangência a possibilidade da doação de órgãos e tecidos; articular-se com equipes médicas dos diversos hospitais, especialmente as alas de Unidades de Tratamento Intensivo e Urgência e Emergência, no sentido de identificar os potenciais doadores e estimular seu adequado suporte para fins de doação; articular-se com as equipes encarregadas da verificação de morte encefálica, visando assegurar que o processo seja ágil e eficiente; viabilizar a realização do diagnóstico de morte encefálica; notificar e promover o registro de todos os casos com diagnósticos estabelecido de morte encefálica; manter o registro de número de óbitos no hospital; promover e organizar ambientes e rotinas para acolhimento às famílias doadoras antes, durante e depois de todo processo de doação, entre outros.

A Organização de Procura de Órgãos da Santa Casa irá atender as ofertas de potenciais doadores na Capital e no interior do Estado, primeiramente, em Três Lagoas e Dourados. O intuito da Santa Casa é pactuar metas de estimativa de público, aumento de doadores por número de pessoas da população, aumento no números de transplantes e outros.

A intensão da gestão com a OPO no hospital é organizar o processo de doação e transplantes, atendendo os chamados de outros hospitais e cobrindo os da CIOPS (Centro Integrado de Operações de Segurança) em ocorrências adversas em vias.

Ana Paula Silva das Neves, coordenadora da CIHDOTT (Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante), afirma que a transferência da OPO para o hospital é muito positiva. “Isso trará uma grande autonomia ao nosso trabalho, além de vários benefícios para os cidadãos e o hospital”.  

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas