MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
22/09/2017

Nilde Brun fala dos destinos consagrados e sobre a expectativa do turismo no MS para 2014

segunda, 30 de dezembro de 2013

2014 já vem sendo projetado como o ano dos grandes eventos no Brasil e consequentemente não é só o País que ganha com turistas brasileiros e estrangeiros, Mato Grosso do Sul mesmo sem a sede da Copa do Mundo deve ser incluída na rota de turismo nacional. Também recebe a Conferência Internacional de Ecoturismo e Turismo Sustentável em abril, em Bonito. A definição de Bonito como sede do evento ocorreu após uma acirrada disputa com oito outros destinos internacionais.O MS REPÓRTER entrevistou a Diretora-Presidente da Fundação de Turismo De Mato Grosso Do Sul, Nilde Brun, que fala sobre os preparativos do Estado para receber os turistas tanto no transporte como recepção.

Nilde também fala do reconhecimento nacional de Bonito com o prêmio de melhor destino de turismo responsável do mundo e prevê crescimento do turismo neste ano com a inaguração do Aquário do Pantanal, em Campo Grande. “a conferência vai ajudar muito a colocar a questão no segmento a manter Bonito com sustentabilidade como questão de meta”, disse.

Ela já expõe há algum tempo os atrativos turísticos de MS em feiras nacionais e internacionais e acredita que com a baixa temporada fora do Brasil o Estado só tem a ganhar no começo do próximo ano. “Eu não vendo só Pantanal e Bonito quando vamos para fora, nós vendemos todos aqueles roteiro que realmente têm condição de receber turismo internacional”, destaca.

MS Repórter – Como anda os preparativos no Estado para receber turistas durante os grandes eventos que acontecem em 2014, como a Copa do Mundo no Brasil?

Nilde Brun – Nós consideramos três aspectos importantes: a infraestrutura nos municípios turísticos, a capacitação porque nós precisamos cada vez mais ter pessoas preparadas para receber esses turistas, e a promoção. Nós trabalhamos nestas três linhas porque consideramos importante, mas é um trabalho que acontece o ano inteiro, tanto na promoção como capacitação onde temos inúmeros parceiros, como as universidades, como a infraestrutura quando buscamos apoio das outras secretarias, especialmentea Secretaria de Obras, como Ministério do turismo buscando investimentos para o Estado. MS conseguiu investimentos importantes para seu desenvolvimento, especialmente atendendo as necessidades para investimentos no turismo principalmente para questão das estradas, sinalizações e aeroportos porque isto aproxima muito a circulação de pessoas dentro do Estado.

MS Repórter – Vejo que no transporte o Estado busca desenvolvimento sempre. Um exemplo é que outras cidades além de Campo Grande já fazem vôos diretos para São Paulo, como Dourados e Bonito. Você sabe se existe algum planejamento para a rodoviária na Capital?

Nilde Brun - Nós estamos trabalhando muito forte a questão dos aeroportos, tanto nós como também uma política nacional acredita na aviação regional porque ela é uma possibilidade muito grande de aproximação do destino com o usuário. Ela facilita em relação principalmente ao tempo, as pessoas permanecem menos tempo no trecho de ir e vir usando a aviação regional.

O Estado está investindo nos aeroportos, tanto que nós conseguimos aumentar a captação de voos para Dourados, junto com a ajuda fundamental da Secretaria de Obras do setor de aviação. Em Três Lagoas, o aeroporto agora pronto já começou um voo com destino a São Paulo, como também para Bonito começamos esse ano com voo direto de Campinas e já passamos para o segundo voo. A companhia já começa a estudar a possibilidade do terceiro voo, além dos voos fretados, principalmente de porte maior para atender a demanda que Bonito está tendo. Corumbá também tem trabalhado bastante para inserção de uma nova companhia e todo mundo sabe que toda concorrência é bem vinda.

Estamos trabalhando de nova companhia aérea para facilitar a chegada de novas pessoas a Corumbá não só via rodoviária, mas também via aérea em função do tempo porque hoje as pessoas não tiram férias de trinta dias , tiram várias vezes ao ano em menor tempo e querem chegar mais rápido ao destino.

A questão rodoviária é importante sem dúvida nenhuma, nós temos uma parceria com as empresas que trabalham no Estado, tanto de favorecer a estada dessas pessoas como também um trabalho recente com a viação Andorinha, na campanha do MS Cuida, que foi aceita com muito carinho e bons olhos pela empresa, de fazer um trabalho de prevenção contra o abuso sexual de crianças e adolescentes. Nós queremos desenvolver o turismo, queremos que as pessoas venham e usufruam da infraestrutura e da qualidade do serviço que nós temos, do produto e da beleza natural que MS oferece, também que as nossas crianças e adolescentes sejam cuidadas. Entramos com essa campanha espetacular, precisamos e contamos com a parceria do empresários.Essa parceria já começou e já temos outros empresários interessados.

MS Repórter – Vi que a campanha começou nos ônibus, vocês pretendem expandir para hotéis também?

Nilde Brun –  Sim, começaremos a campanha a partir de janeiro com as transportadoras, hotéis, transportadoras, locadoras de veículos. Vamos entrar com o material de divulgação para que qualquer cidadão que vê qualquer ação com crianças e adolescentes possa denunciar, a denúncia é anônima e contamos com a participação de toda comunidade, não só dos turistas para que possamos juntos fazer um combate muito firme e específico quanto a exploração sexual de crianças e adolescentes.

MS Repórter – Quanto ao Centro de Atendimento Internacional ao Turista (CIAT) em Corumbá é pra ajudar também nesta conscientização?

Nilde Brun - O Centro de Atendimento vem com o intuito de começarmos a monitorar esses turistas que estão entrando. A Fipe, que já faz uma pesquisa hoje tanto em Corumbá como em Ponta Porã,mostra um aumento significativo da entrada de turistas estrangeiros por esses dois portões, temos percebido muito isso no mês de janeiro e fevereiro, principalmente paraguaios e bolivianos, então é um opção. São dois pontos importantes de entrada, considerando em Corumbá a Estrada Parque, onde entra muitos turistas que nós não estávamos dando uma atenção especial. Além de orientar as pessoas sobre qualquer ação que percebam o qualquer percepção que possam denunciar com segurança, também dar orientação com qualidade para essas pessoas (Onde ficar? Onde hospedar? Oque conhecer? Como pode ir do Pantanal para Bonito ou outro destino do Estado?).

É uma parceria com a Prefeitura de Corumbá, uma iniciativa que nós entramos como parceiros que entendemos que é um portão importante para Mato Grosso do Sul.

MS Repórter – Bonito foi escolhida para sediar em abril a Conferência Internacional de Ecoturismo e Turismo Sustentável. Como ocorreu a escolha para cidade sede do evento?

Nilde Brun – Houve uma indicação de Bonito para que nós entrássemos como concorrente para sediar a conferência em 2014, quando entramos nós mesmos não acreditávamos em trazer o evento para Bonito e foi uma posição do Convention & Visitors Bureaue entramos nessa. Foi uma surpresa para nós porque estávamos concorrendo com destinos importantes, teriam mais condições até porque nós somos exigentes com nós mesmos e acabamos não acreditando em nós mesmos e pra nossa surpresa nós fomos escolhidos.

Esse ano, a conferência aconteceu no Quênia e lá aconteceu a noite do Brasil porque a partir do momento que o destino é escolhido o evento não é só nosso, é do Brasil, porque o Brasil recebe essa Conferência Mundial. Para se ter um dimensão, no Quênia estavam lá representado 46 países, nós estamos esperando um representação significativa aqui e acreditamos que a cidade vai ser Bonito antes e depois da Conferência como referência mundial de turismo sustentável porque o mundo inteiro vai estar conhecendo. Pessoas formadoras de opinião e grandes estudiosos de ecoturismo são pessoas que têm uma referência muito grande em relação a todo esse trabalho, inclusive para a partir daí proceder de forma diferenciada. Ganhamos o título, Bonito ganhou o título de destino de turismo sustentável.

MS Repórter – Você acha que esse título contribuiu para escolha?

Nilde Brun - Eu acho que isso colou Bonito como destaque e pelo fato de ter sido escolhido deu credibilidade. É um desafio e um orgulho muito grande e sem dúvida nenhuma só para Bonito, mas para nós do Governo do Estado ajudar Bonito continuar nesta linha, a conferência vai ajudar muito a colocar a questão no segmento e manter Bonito com a questão dasustentabilidade como meta. Todos os empresários, poder público, toda ação que essas entidades foram desenvolver terem como meta.

MS Repórter – Em uma entrevista  você diz que é mais fácil vender praia do que ecoturismo. Você ainda acha isso?

Nilde Brun – Eu acredito nisso, claro que nós não comercializamos, nós promovemos. Sentimos isso na fala dos empresários, não nos nossos, mas de quem comercializa. Quando se vende praia você não vende um acompanhamento diário, quando você vende Ecoturismo você vende dia-a-dia, cada atrativo e acompanhamento, o turista precisa ter um guia, principalmente em Bonito para acompanhar e passar orientação, tem horário específico de visitação. Nem só aqui em MS, mas no mundo inteiro é assim, por isso é mais fácil. Eu não acredito que é mais caro, você oferece muito mais serviço no ecoturismo do que em outras atividades, tem todo esse cuidado, essa orientação para usufruir da forma que deveria ser.

Nós percebemos isso quando fomos no Quênia agora porque teve um momento de visitação e não tivemos nenhum guia nos conduzindo,o guia da conferência que é chamdo de visita orientada, ficamos meios soltos pela inciativa, mas na hora comentamos se tivesse orientação o aproveitamento seria melhor. Quando a gente fala sermais fácil porque o turista fica no hotel e faz o seu roteiro, vai por iniciativa própria. Talvez não seje pela fala mais fácil ou mais difícil, seje por ser um turismo oficializado, precisa de um atendimento especial.

MS Repórter – No planejamento para 2014 está o MS na Estrada que é destinado para os Sul-Mato-Grossenses conhecerem destinos locais para divulgarem. Como funciona?

Nilde Brun – A ideia partiu do Salão de Turismo, a ideia inicial era essa mostrar o interior que não conhecia, pelo menos com foto e artesanato. A ideia do MS na Estrada é nós organizarmos por macroregião os municípios que estão dentro, conhecerem e fazer um intercâmbio entre eles. Nós vamos levar operadoras e jornalistas de Campo Grande e também nacional, por exemplo aquela região tem interesse para que operadoras de São Paulo comercialize e nós precisamos mostrar esses produtos para elas porque não vão colocar se não conhecer.

A ideia é além deles fazerem esse intercâmbio, essa relação de conhecimento - o que eu posso usufruir do município vizinho para agregar valor no meu produto? - para que eles possam chegar a uma conclusão e mostrar a essas operadoras e jornalistas o que pode ser ofertado de diferente para poder comercializar, fazer eles se conhecerem mais, serem parceiros com a viabilidade de promover aquele destino unindo o que o município tem e oferecer em um roteiro interessante. Você começa a ter outras possibilidades e levar a imprensa porque aguça a vontade do do leitor, dependendo da matéria colocada eu sinto vontade ir ou não. É aquilo que eu só amo o que eu conheço, eu não amo se eu não fui e não conheci.

MS Repórter – É até a questão da Fronteira, porque se você fala na fronteiras as pessoas ficam com certo receio de visitar e medo.

Nilde Brun – A ideia é mostrar o outro lado. Você fala em fronteira, mas a fronteira tem segurança, tem atrativos culturais, históricos e naturais que as pessoas não tem conhecimentos e quando ela vai sabendo que tem segurança vai recomendar. Essa é a intenção do MS na Estrada.

MS Repórter – Vocês pretendem continuar divulgando além de Bonito, outras cidades do Estado nos roteiros internacionais?

Nilde Brun –  O grande foco é janeiro, fevereiro e março porque é baixa temporada para eles, então eles fazem os eventos neste períodos. Nós estamos com a agenda aparentemente lotada, até porque quanto mais você vai mais as pessoas conhecem e tem credibilidade, é um trabalho de longo prazo, você vai mais um ano, dois e três eles percebem que é um investimento sério e atrai esses empresários. Nós queremos estar lá.

Quando nós vamos, nós trabalhamos MS como inteiro, dez regiões e destinos que já são consagrados, não Bonito- Serrra da Bodoquena que pega Jardim, Bodoquena e Porto Murtinho, mas também Pantanal como um todo prque quando se fala em Pantanal as pessoas já tem um conhecimento, brilham os olhos, todas possibilidade como também vende Caminho dos Ipês, Campo Grande tem grande caminho, ano que vem temos o Aquário do Pantanal, e tenho certeza que vai ser um grande produto que nós temos, assim como a Rota Norte que já está sendo comercializada pela Europa pela Master Turismo, que foi quem conheceu e montou um roteiro específico.

Eu não vendo só Pantanal e Bonito quando vamos para fora, nós vendemos todos aqueles roteiro que realmente tem condição de receber turismo internacional e às vezes aqueles produtos que não estão no mercado, que depende do interesse do empresário. Uma coisa que nós temos feito é conversado bastante com os empresário porque o Estado quando vai para essas feiras a intenção é promover e divulgar, não comercializamos. Pedimos aos empresários daquele país para abrir uma negociação com o estado para começar a vender os nossos produtos.

Ana Paula Duarte

Foto: Ana Paula Duarte/ MS Repórter
Comente esta Entrevista
Outras entrevistas