MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
18/09/2019
21 de outubro de 2013 às 11h03 | Meio ambiente

Laudos comprovam que óleo no Lago Paranoá vazou de hospital

A mancha de oléo se estende por 3 quilômetros

Por: Louíse Lins/Agência Brasil
Foto: Sergio Lima/Folhapress

O óleo que atingiu o Lago Paranoá vazou do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), conforme os laudos técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) e da Universidade de Brasília (UnB) concluído na noite de sexta (18). De acordo com o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), órgão ligado à Secretaria de Meio Ambiente do governo do Distrito Federal (GDF), os dois laudos mostram que o óleo, responsável pela mancha de 3 quilômetros, veio de uma caldeira usada pelo hospital para esterilizar equipamentos.

Segundo o Ibram, o separador de água e óleo da caldeira estourou e acabou despejando óleo pela tubulação de água pluvial. A mancha localizada nas proximidades do Iate Clube foi contida ontem. No entanto, uma segunda mancha, de menor porte, apareceu em outro ponto do lago, próximo à Concha Acústica, local onde são realizados eventos culturais.

Nos dois pontos é comum a prática de esportes aquáticos. Para evitar problemas, as autoridades estão orientando que a população e as embarcações não usem as áreas mais críticas para atividades ou banhos. A limpeza do local e a contenção do óleo já estão sendo feitas, mas há, ainda, preocupação com a possibilidade de novos vazamentos com a chuva prevista para os próximos dias.

Um auto de infração foi entregue ainda ontem à noite ao Hran, após a conclusão dos laudos, mas endereçado à Secretaria de Saúde, órgão responsável pelo hospital. Foi aplicada uma multa de R$ 280 mil.

Contatada pela Agência Brasil, a Secretaria de Saúde informou que já tomou conhecimento do laudo, mas espera ser notificada oficialmente na segunda-feira (21) para pedir explicações da empresa Técnica, responsável pela caldeira, e ver a quem caberá pagar a multa. A secretaria já vinha fazendo estudos para a licitação de novas caldeiras a gás, para evitar vazamentos de óleo.

De acordo com o Ibram, essa é a quarta vez que ocorrem problemas ambientais com caldeiras do Hran. A última foi no início deste ano, devido à fumaça densa e escura liberada à luz do dia, incomodando a vizinhança. Na época, foi aplicada uma multa de R$ 60 mil, mas acabou não sendo paga porque o GDF recorreu na Justiça.

Além da multa, o Ibran havia determinado a troca das caldeiras, que têm 40 anos de uso, e a mudança do horário da fumaça. Iniciou-se, então, um processo de licitação que ainda não foi concluído. No ano passado, o Ibran identificou outro vazamento, mas de menor escala, que aconteceu também pelo rompimento do separador de água e óleo. O vazamento atual é o maior já registrado no Lago Paranoá.

Contatado pela Agência Brasil, o Ibran informou que não pode fechar a caldeira atual porque isso inviabilizaria o funcionamento do hospital, e o dano ficaria ainda maior com o fechamento das áreas cirúrgicas e de internação.

 

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas