MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
29/10/2020
29 de setembro de 2019 às 10h50 | Cultura

Grupo do RN traz oficina gratuita no Centro Cultural José Octávio Guizzo

Com apoio do Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura, o Centro Cultural José Octávio Guizzo abre as portas para o Grupo Carmin, do Rio Grande do Norte, com a oficina “Da cidade à cena: Texto, vídeo e atuação a partir de Elementos do Real”, que

Por: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Na ocasião, o grupo, vencedor do Prêmio Cesgranrio e APTR, vem para Campo Grande com patrocínio do Ministério da Cidadania e do Programa BR Distribuidora de Cultura, apresentar o espetáculo gratuito “Jacy”, no Teatro Glauce Rocha, nos dias 03 e 04 de outubro, com sessão às 20h.

A oficina tem carga horária de 8 horas e classificação indicativa de 16 anos.

Nela o aluno conhecerá elementos do teatro documental, vivenciados em exercícios que partem do registro escrito, da memória e do registro em vídeo.

Tendo como método a observação de pessoas, locais e situações, o material colhido é transposto para dramaturgia cênica e audiovisual.

Os participantes terão uma vivência de todo o processo de criação do Grupo Carmin e experimentar construção de dramaturgia e cena a partir dos elementos explorados.

Durante seus 12 anos de existência, o grupo Carmin tem trabalhado duas vertentes essenciais do teatro contemporâneo: a preparação do ator-pesquisador e a criação de dramaturgia original.

Ao longo desse tempo, consolidou uma série de práticas resultantes dos processos de montagem das peças “Pobres de Marré”, “Jacy”, “Por Que Paris?” e “A Invenção do Nordeste”.

Essas práticas têm como matriz as técnicas de Rasaboxes, mímese corpórea, escrita automática e escrita de observação.

A oficina “Da cidade à cena: texto, vídeo e atuação a partir de elementos do real” propõe o compartilhamento dessas práticas de criação de personagens e dramaturgia, tendo como ponto de partida a observação de pessoas em situações reais nas ruas.

O trabalho é feito de forma ética e respeitosa, não exatamente “usando” as histórias de vida das pessoas observadas, mas elegendo fatos fundadores para o início da ficção.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas