MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
17/08/2018
04 de abril de 2018 às 11h23 | Economia

Em três meses, município registra 3 casos e 95 notificações sobre dengue

Município realizou 3,8 mil vistorias a imóveis nos últimos dias de março

Por: Da Redação

De janeiro a março deste ano, Corumbá –a 419 km de Campo Grande– registrou 95 notificações sobre casos de dengue, dos quais três foram confirmados. Os dados constam em boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (4) pela prefeitura, que também apontou três casos confirmados de febre chikungunya, entre 22 notificações; e dez casos suspeitos de zika.

As doenças têm em comum o vetor, o mosquito Aedes aegypti –zika e chikungunya também são transmitidas pelo Aedes albopicus. Em relação à dengue, os casos confirmados foram registrados nos bairros Popular Nova, Loteamento Pantanal e Centro América.

Já os casos de chikungunya foram anotados no Loteamento Pantanal, Guató e Nossa Senhora de Fátima. A Prefeitura de Corumbá ainda divulgou que as suspeitas de zika foram notificadas nos bairros Jardim dos Estados, Jatobazinho, Vitória Régia, Maria Leite, Centro, Guanã, Primavera, Dom Bosco, Popular Nova e Popular Velha.

Os dados foram divulgados ao mesmo tempo em que a prefeitura informou ter realizado entre 18 e 24 de março vistorias a 3.870 imóveis nas ações de rotina para enfrentamento do Aedes aegypti. As ações incluíram eliminação de focos, a fim de impossibilidade o desenvolvimento das larvas e procriação do mosquito, bem como conscientizar moradores sobre os riscos de permitir o acúmulo de materiais que possam se tornar criadouros do Aedes.

Outras doenças – O acompanhamento da saúde em Corumbá também totalizou, neste ano, dois casos confirmados de leishmaniose visceral, nos bairros Cravo Vermelho III e Popular Nova. A doença é transmitida pelos mosquitos Lutzomyia longipalpis ou Lutzomyia cruzi, conhecidos como “mosquito-palha”.

Estão sob investigação 12 casos suspeitos de influenza. A prefeitura também divulgou o registro de 1.247 casos de conjuntivite no período –doença que causou alertas na saúde da cidade– e 1.401 de doenças diarreicas agudas.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas