MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
26/05/2017

Em entrevista Zeca do PT fala sobre Bernal e diz que sairá candidato a deputado federal

quarta, 02 de outubro de 2013

 José Orcírio Miranda dos Santos, mais conhecido por Zeca do PT, é natural de Porto Murtinho, já foi deputado estadual e governador do estado de Mato Grosso do Sul por dois mandatos. Atualmente, é vereador em Campo Grande. Foi, também, presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande e Região, na época em que trabalhava no Banco do Brasil. É um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores no estado. Zeca do PT é casado com a Dona Gilda, pai de três filhos e avô de dois netos.

Em entrevista ao site MS Repórter, ele falou de vários assuntos como sua escolha em atuar como vereador, possíveis alianças entre o PT e PSDB e sobre a administração do prefeito Alcides Bernal e a relação conturbada do prefeito com os vereadores.

MS Repórter - Porque decidiu ser vereador de Campo Grande?

Vereador Zeca do PT – Já respondi essa pergunta umas centenas de vezes, porque causou um espanto, ou uma interrogação na cabeça de todo mundo, pois como um cara que depois de ser oito anos deputado e oito anos governador resolve ser vereador? Aliás, as duas últimas vezes que eu respondi sobre isso foi agora de você e há 15 dias do Lula. Em um final de semana que passamos juntos ele me perguntou por que resolvi ser vereador. Mas, respondendo sua pergunta, sai candidato a vereador por não ter nenhum projeto pessoal, mas tinha um projeto ideológico, partidário, político, e em 2012, quando o PT de consenso se definiu pela candidatura do deputado Vander a prefeito, percebendo que a campanha começava a ter dificuldades, eu achei importante tomar essa decisão de emprestar meu nome pra ajudar no fortalecimento da chapa de vereador, basicamente isso. Evidentemente que essas decisões não são na maioria das vezes muito pensadas, pelo menos pra mim, eu falo que sou uma pessoa intuitiva, e aquela foi uma decisão, aliás, a minha trajetória política tem sido marcada por intuição que deram certo até agora. E esse instinto que marcou 2012, para ser mais objetivo, eu estava viajando com minha esposa íamos para Jardim e chegando lá, quando eu fiquei sabendo de algumas dificuldades do Vander aqui como candidato a prefeito eu virei pra minha esposa e falei que iria chegar em Jardim e iria anunciar que voltaria para Campo Grande para ser candidato a vereador e assim que virei candidato a vereador, fiz uma campanha com humildade, eu e Gilda praticamente percorremos  todos os principais bairros e no final eu ficava na Afonso Pena com a 14 de Julho parado, onde passa centenas de pessoas todo dia, e eu dizia: “Eu sou o Zeca do PT ex-governador que tratou com respeito o servidor público e deu dignidade aos mais pobres”. E assim eu fiz 13.010 votos.

MS Repórter – O que o senhor acha da experiência de ser vereador?

Zeca do PT - Eu acho a experiência fantástica, gosto daqui, gosto do pessoal,  só acho que está ruim essa relação dos vereadores com o prefeito, com alguma experiência e com humildade eu to tentando ajudar a chegar em um consenso, isso aqui é um outro poder, estava dizendo isso para o prefeito, isso é o Poder Legislativo e a Constituição diz que a relação entre os poderes executivo legislativo precisa de harmonia, de independência e aqui tem que ter para o bem da democracia. Tem que ter maioria, minoria, oposição, situação e independência e o prefeito tem que construir a maioria, parar de ficar se xingando, para respeitar as diferenças construir o que é mais importante, um projeto para a cidade e eu quero contribuir como vereador para isso.

MS Repórter - Em algum momento achou que seria o vereador mais votado?

Zeca do PT – Muita gente tinha aquela história da aposta, o André Puccinelli, como sempre com a arrogância dele, com a empáfia dele dizia que eu não faria 30 mil votos, mas eu nunca me preocupei com votação, eu me preocupei em ser bem votado e fiquei feliz, não é pouco 13.010. Semana passada fui fazer um debate com o PT lá em Salvador e lá também tem um ex-governador que foi ministro, chamado Valdir Pires que foi candidato a vereador lá em Salvador, e ele fez 13 mil votos, em um colégio de 4 milhões, eu fiz 13 mil votos no meio de 540 candidatos com 500 mil eleitores. Se eu tivesse lá com o percentual de votos que eu tive aqui, faria 120 mil votos. Então a votação foi extremamente expressiva e me deixou muito orgulhoso do reconhecimento e eu sei que é mais que isso, é o reconhecimento do trabalho que nós fizemos no governo de recuperar de sanear as finanças, botar salário em dia, pagar para a polícia para a educação, por exemplo, um dos melhores salários do Brasil, fazer infraestrutura, mas, muito mais do que isso, generosamente abraçar os mais pobres com a bolsa escola, com a segurança alimentar o restaurante popular. Acho que isso que está na memória das pessoas pra me dar essa votação.

MS Repórter - Qual sua opinião sobre as manifestações que ocorreram em todo o Brasil?

Zeca do PT – Acho as manifestações que ocorreram legítimas, a democracia tem que ter o contraditório, as pessoas têm que ter o direito de se manifestar, eu sempre defendi isso, eu venho do movimento sindical e fiz muita greve, ajudei a fundar a CUT e sempre estive do lado dos Sem-Terras, ao lado dos índios, dos negros, Sem-Teto, então a luta é legítima. Mas o que realmente está por trás disso não é o povão que precisa de saúde e educação, ali tinha uma boa parte dos filhos da elite que nunca pegaram um transporte coletivo, essa é a verdade e muita gente que foi atrás, mas o que chamou tanto isso aí, de um lado chamou a Globo e em conversa com o Lula eu falei que tinha que fazer alguma coisa a Globo não pode continuar fazendo o papel de partido político, cadê os instrumentos de regulação da grande mídia? A televisão e o rádio são uma concessão pública, como a água, a luz, o transporte, tem que ter uma agência reguladora, outros países mais modernos estão fazendo isso, a Globo não pode querer tudo, condenar sumariamente as pessoas no lugar do Judiciário sem direito de defesa, como fez com a história do mensalão. Quer dizer, a Globo por trás pegando um gancho nesse negócio de transporte coletivo, que é um movimento legítimo, o Movimento Passe Livre, a Globo botou pilha naquilo, foi crescendo e de outro lado, eu falo isso com sentimento, a ausência do PT. O meu partido está pagando caro, porque ele se burocratizou se afastou da rua de toda sua militância, o PT se afastou dos movimentos sociais e lá na rua o PT não estava então, curiosamente o PT não estava lá, o PT que nasceu das lutas e na rua.

MS Repórter – O senhor é a favor da Reforma Política?

Zeca do PT – Sou absolutamente a favor, aliás, eu acho que o segundo governo da Dilma tem que ter alguns desafios, tem que fazer a regulação da grande mídia. É impossível as televisões e alguns jornais querer continuar mandando no Brasil, isso é ditadura, tem que regular a mídia, tem que ter limite como tudo na vida tem. Temos que regulamentar o dispositivo da constituição que fala na tributação da grande fortuna, isso é um desafio para o governo do PT, pois se ele não fizer isso, quem irá fazer? Tem que ter uma reforma política, não é possível continuar e aperfeiçoar a democracia, consolidar a democracia com a licitação eleitoral que tem. O que eu defendo que eu acho na minha cabeça que é certo é uma eleição a cada cinco anos, esse negócio de eleição a cada dois anos ninguém aguenta mais. Mas aí vão dizer que a eleição politiza, mentira, politiza nada, corrompe, o que politiza é a luta social. Uma eleição a cada cinco anos de vereador a presidente.

Em segundo lugar, a limitação de dois no máximo três mandatos, não é possível ter um deputado com dez mandatos, com sete mandatos, vira profissão tem que limitar os mandatos, limitar o legislativo e um mandato sem reeleição para o executivo. Financiamento público exclusivo de campanha, não pode continuar o latifúndio, os banqueiros, a grande indústria, o grande empresário financiando os seus porta-vozes no Congresso, aí pobre nunca vai se eleger, sempre vai ser minoria. Financiamento público igual pra todo mundo.

Outro ponto é o fim da coligação na eleição proporcional, hoje tem 33 partidos (se o da Marina entrar), isso é loucura não contribui com a democracia, eu estou dizendo o seguinte acaba com a coligação na proporcional, porque o partido se organiza pra vender tempo, pra pegar verba do fundo partidário e aí chega na eleição o partido tem um candidato, coligação na eleição majoritária tudo bem que em tese é programática, em cima de um programa, agora na chapa de vereadores e deputados que é chapa proporcional que tem que ter chapa completa aí nós vamos limitar pela lei, pela realidade da necessidade que o partido  se apresentar . Eu acho que com isso nós fazemos uma legislação moderna compatível com o Brasil de hoje, então tem que ter a modernização da legislação eleitoral no Brasil.

MS Repórter – O senhor acha que essas manifestações que ocorreram em todo o País contribuíram para a queda da aprovação do governo da presidente Dilma?

Zeca do PT – Claro que sim, afinal de contas o movimento foi majoritariamente anti-partido, anti-político, contra a Dilma, contra os governantes, o Sérgio Cabral está vendo isso até hoje no Rio e o Alckmin em São Paulo. Era natural de 70% caiu pra 30%, mas ela já começou a subir. Eu costumo dizer que eu não tenho dúvida que a Dilma é a grande candidata, e pior é que mesmo com a queda e com os movimentos o Aécio continua nos 5% atolado, o Eduardo Campos até agora não falou pra que veio, e o segundo colocado  é a Marina. Quero ver a ‘fazendeirada’ votar na Marina, ela adora um Código Florestal bem radical.

Eu acho que a economia voltou se consolidou, a inflação está sob controle, o Brasil voltou a gerar emprego como nunca, os empregos temporários que geralmente salva a vida de muita gente final de ano não tem gente suficiente para ser empregado. Nós vivemos em um momento de pleno emprego, acho que o Brasil está bem e a Dilma tem todas as condições de se candidatar a reeleição.

MS Repórter – Qual sua opinião sobre o julgamento do Mensalão?

Zeca do PT – Acho uma tremenda farsa o mensalão, uma ficção, uma invenção. Você acha que o João Paulo (Cunha) ia vender o voto dele por R$ 50 mil? Quem é o João Paulo? É um deputado federal do PT e presidente da Câmara. O que teve ali e o PT reconhece é o tal do caixa 2. Aliás, alguém tem que perguntar para os senhores ministros ou juízes, qual o vereador, qual o prefeito, qual deputado, qual senador, qual governador, qual presidente que se elege sem caixa dois, então é problema da legislação eleitoral que tem que ser modernizada, na hora que acabar com isso, que mudar acaba com isso.

O mensalão foi uma farsa uma coisa midiática, essencialmente política, comandada pela Globo, ao vivo em tempo real que criou condições para a condenação. Foram aceitos os embargos infringentes, vai ser discutido tudo de novo para os treze (acusados) é uma coisa que o Brasil não precisava passar. O essencial disso é mudar, não estou dizendo que o PT não tenha cometido crime, como o PSD o DEM e todo mundo, mas o essencial disso é mudar a legislação eleitoral, fazer uma coisa mais democrática e mais transparente.

MS Repórter – Em relação a avaliação da administração do prefeito Alcides Bernal, qual sua opinião?

Zeca do PT – Acho muito cedo, para avaliar a administração do prefeito, ainda não terminou o primeiro ano. Campo Grande é uma cidade grande, quase 1 milhão de habitantes, com seus problemas ele herdou uma máquina viciada de 20 anos de PMDB.O prefeito sofre um problema sério, o PMDB tem 20 vereadores dos 29 o Bernal tem que ser o nosso líder para harmonizar isso aí, construir um novo momento. Eu gosto do Bernal, eu continuo acreditando no Bernal, agora o que eu digo para ele é que tem que mudar o comportamento, temos que fazer um governo unido. Essa história do governo do eu sozinho não funciona. Falei um dia pra ele: “Você acha que o Lula passou oito anos se relacionando com o Sarney porque gostava do Sarney? A Dilma com o Renan, nós aqui oito anos com o Londres?” Quando me elegi em 1998 eu tinha um deputado estadual ou eu fazia a maioria ou não governava e fiz e nos ajudaram bastante a mudar o Estado. Se o Bernal botar a mão na cabeça, tem tudo pra sair como uma grande figura que mudou a história de Campo Grande que quebrou a hegemonia de 20 anos de revezamento do PMDB, eu continuo acreditando.

MS Repórter – O senhor acha que essa briga entre ele e os vereadores causa problemas para a população?

Zeca do PT – Claro que causa, eu falei isso aqui, é vergonhoso isso. Fica o Bernal durante o dia todo no Facebook xingando os vereadores  e fica os vereadores aqui fazendo nota de repúdio e a cidade que hora que vai parar todo mundo pra pensar na cidade, respeitando as diferenças? A democracia se consegue assim, se consegue respeitando as diferenças ideológicas. Eu estou defendendo a tese de uma aliança nossa do PT  do Delcídio com o PSDB do Reinaldo, tem um contra ponto do ponto de vista ideológico  pra nós maior que o Reinaldo nós precisamos fazer aliança, então tem que construir, tem que fazer isso, parar com isso e vir aqui e fazer um gesto para a Câmara que quer retomar um novo momento pra relação e construir esse novo momento pra ter 15, 16 ou 17 vereadores  e poder aprovar suas coisas para o bem da cidade.

MS Repórter – O senhor acredita que o prefeito sofre algum tipo de perseguição?

Zeca do PT – Não, essa história não é assim, acho que ele está com o diálogo mal arrumado, esse negócio de ficar xingando vereador, eu to falando isso porque eu gosto do Bernal, já falei até pra ele parar e conversar com a Câmara são poderes independentes, esse negócio de ficar xingando vereador e vereador ficar fazendo nota não tem nada de perseguição, tem de uma relação que poderia ser melhor e está desarrumada.

MS Repórter – É possível uma aliança do PT com o PSDB?

Zeca do PT – Com o PSDB não dá, o que é o problema de Campo Grande, eu tenho discutido isso com o PT-MS, nós temos três forças preponderantes , um PT do Delcídio, que está unido em torno do Delcídio, segundo o PSDB do Reinaldo, que é um fato novo, terceiro o PMDB que está no Governo , que tem o Nelsinho o próprio André e a Simone, tem uma chapa forte, a direção Nacional do PT quer aliança com o PMDB, quer repetir o que tem em Brasília PT com PMDB, só que o povo de MS não aceita essa aliança e o PT também não, na minha avaliação e intuição se fizer essa aliança nós corremos o risco de perder, o ideal seria a aliança com o Reinaldo, mas com o PSDB vai ser vetado, então eu tenho dito para o Delcídio, tem que ter um custo para o Reinaldo, tudo de graça, só pra nós que é custoso. O Reinaldo sai do PSDB, vai pro PR ou PSD pra ser candidato a Senado, vai ganhar uma vaga de senador, a chapa Delcídio e Reinaldo em outro partido eu diria que é quase imbatível.

MS Repórter – Quais os trabalhos o senhor vem desenvolvendo na Câmara?

Zeca do PT – Eu estou fazendo uma coisa fantástica no meu ponto de vista, estou fazendo aqui na Câmara agora o que fizemos em 1992 no meu primeiro mandato de deputado, estou popularizando o debate do orçamento, todo segundo semestre, todo ano a Câmara, tem que votar o orçamento para o próximo ano, fiz uma reunião com lideranças de Anhanduí explicando o orçamento, como funciona e perguntando para eles quais as necessidades deles, se é escola, asfalto, saúde, fizemos toda uma discussão os envolvendo e entregamos um formulário para cada um deles indicar três prioridades, nós trouxemos e vamos sistematizar e vamos voltar a discutir com eles pra transformar em emenda no gabinete da prefeitura de 2014, vamos fazer 13 reuniões, cada região da cidade, cada distrito, depois mais três ou quatro temáticas com pessoal da educação da saúde  pra gente apresentar como emenda, isso é uma coisa fantástica que dá domínio público, conhecimento para a população interferir numa coisa que é fundamental que é o orçamento. Depois de aprovado ele entra no orçamento, então prefeito sanciona e isso dá a garantia que na comunidade tal vai ter uma escola, por exemplo, e no próximo ano tem mais facilidade de pressionar e liberar.

A segunda coisa eu apresentei um projeto chamado portal da transparência da casa própria, o que acontece, eu encontro gente em Campo Grande até hoje que está há 12, 15 até 18 anos sem receber casa e tem inscrição, ao mesmo tempo tem denúncia , por exemplo no Caiobá, um monte de gente que recebeu e está vendendo, ou seja, casa em Campo Grande é pra cupincha de prefeito e governador, nós queremos criar um controle social, usar a informática, a tecnologia. A pessoa inscreveu, ela vai para aquele projeto, vai entrar no site do Portal e vai se ver lá, por exemplo, eu estou em 30°, foram entregues 60 casas eu não fui contemplada porquê?, Ou eu não tinha direito ou me passaram a perna, é um mecanismo de fato de transparência e controle social das casas.

MS Repórter – Quais são seus futuros planos políticos?

Zeca do PT – Eu não tenho pessoalmente planos, estou discutindo com a CNB que é minha corrente política interna no PT, o partido tem correntes, grupos que tem vontade de dirigir o PT e os outros partidos tem as turmas, turma do Nelsinho, turma do André. A minha corrente que é a maior do Brasil que se chama CNB está indicando meu nome para pré-candidato a deputado federal. Eu sempre resisti, mas tamanha dificuldade dos índios dos Sem-Terra dos negros dos Sem-Teto que eu resolvi topar. Muito provavelmente eu deva ser candidato a deputado federal.

MS Repórter – O senhor foi a favor da CPI da Saúde da Câmara, enquanto a maioria dos vereadores foram contra, e depois eles voltaram atrás.

Zeca do PT – Nós sempre batemos na necessidade da CPI, mas os outros vereadores alegavam que o Ministério Público já estava investigando, uma coisa é o MP outra coisa é a prerrogativa do Legislativo que não se pode abrir mão dos diretos de investigar, ainda bem que saiu e está concluindo aqui e na Assembleia para gente encaminhar ao MP as denúncias e os enquadramentos, mas graças a Deus nós conseguimos fazer. Eu acho que realmente os vereadores não queriam a CPI por pensar que atrapalharia as investigações do MP, mas eles voltaram atrás e reconheceram que estavam errados e viram que não atrapalhou em nada , o MP está concluindo  as suas investigações e a CPI parte de fatos concretos para apurar para ouvir, encaminhar e fiscalizar e depois juntar isso a denuncia do MP.                             

MS Repórter – O que o senhor acha do Programa Mais Médicos?

Zeca do PT - Eu acho o Mais Médicos para o Brasil uma coisa fantástica, me preocupa e me impressiona o grau de rejeição de olhar no umbigo, de manter uma clientela pra si independente da saúde pública. Eu acho que o Programa que traz gente de outros países para atuar no interior é fantástico, acho uma sacada genial e o tempo vai mostrar isso. 

 

Por Mariana Rodrigues

Foto: Mariana Rodrigues
Comente esta Entrevista
Outras entrevistas